Um retorno ao Egito para recuperar a liberdade

No final do Século XX o progressismo norte-americano começou a percorrer caminhos criativos para recuperar a experiência familiar e comunitária do Sêder de Pêssach que havia ficado afastada da vida da maioria dos judeus.

Pesaj (1974)

pesach1974

 

A primeira Hagadá de Pêssach publicada pela CCAR (Conferência Central de Rabinos Americanos) foi bastante “clássica” (seguindo a antiga linha da reforma) em conteúdo e em aparência. Uma geração mais tarde, fez sua aparição uma Hagadá muito mais elaborada, tendo uma aceitação instantânea. O livro não foi tanto uma revisão de seu antecessor, mas uma nova tentativa de recuperar elementos importantes da tradição sem reduzi-los ao uso de material novo. Por exemplo, a narração das dez pragas que ocorreram aos egípcios tinha sido omitida na anterior Hagadá da Reforma por se considerar “indigna de sensibilidades ilustradas”, mas foi reestabelecida na nova versão, que “representa uma fusão da particular experiência judaica de libertação junto ao anseio humano universal pela redenção”. A seguinte seleção mostra como a nova Hagadá integra os textos contemporâneos com os tradicionais.

Então designaram capatazes sobre eles que lhes impuseram trabalho forçado e construíram cidades armazéns para o Faraó: Pitom e Ramessés. Os egípcios amargaram suas vidas com trabalho duro em morteiro e tijolo e em todo tipo de trabalho nos campos.

Mas quanto mais foram oprimidos, mais aumentaram e se estenderam, de modo que os egípcios chegaram a desprezar e temer os israelitas. Então o Faraó ordenou a todo seu povo: “Todo menino que nascer deve ser jogado no Nilo, mas deixem viver toda menina”. Clamamos ao Senhor, o Deus de nossos Pais, e o Senhor atendeu nossa lamentável situação, nossa miséria e nossa opressão.

“Os egípcios amargaram suas vidas”

Nós nos acostumamos a fazer fila às sete da manhã, ao meio-dia e de novo às sete da noite. Nós nos colocamos em uma longa fila com um prato na mão no qual jogaram um pouco de água morna com um sabor salgado ou de café. Ou nos deram algumas poucas batatas. Nós nos acostumamos a dormir sem uma cama, a cumprimentar cada uniforme, a não caminhar pela calçada, e depois novamente a caminhar por ela. Nós nos acostumamos aos tapas, golpes e execuções imerecidas. Nós nos acostumamos a ver ataúdes empilhados repletos de cadáveres, a ver os doentes entre a sujeira e a imundície e a ver os médicos incapacitados para ajudá-los. Nós nos acostumamos ao fato de que de vez em quando, mil almas infelizes fossem embora…

Da prosa de Peter Fischl, de 15 anos, que faleceu em Auschwitz em 1944.

“Nossa aflição”

A “aflição” se refere, dizem os comentaristas, à separação forçada de maridos e esposas. Os maridos e as esposas não tinham permissão de viver juntos. No entanto, as mulheres de Israel foram uma fonte de fortaleza para seus maridos, levando-lhes comida, consolando-os quando os visitavam, dando a eles esperança de libertação.

Midrash

“Nossa opressão”

Ensinam-nos que os egípcios zombaram dos israelitas por observar a circuncisão de seus filhos. Debocharam dos hebreus por isto, já que de qualquer maneira os meninos seriam condenados à morte. Mas os hebreus responderam: “Cumprimos nosso dever; tudo o que vocês fizerem depois não pode afetar nossa prática de nossa fé. Como nossos antepassados foram fiéis ao pacto de Deus, assim seremos nós”.

Midrash

Fonte: Uma Hagadá de Pêssach, ed. Herbert Bronstein, com ilustrações de Leonard Baskin (Nova York: CCAR Press, 1974), 40–41.