Iom HaAtsmaut fará você acreditar em milagres

“Em Israel, para ser realista, você deve acreditar em milagres.”

– Primeiro Ministro David Ben Gurion

Depois de Iom HaZicarón, fazemos a comovente transição de 180 graus do luto profundo para a alegre celebração da façanha milagrosa da independência. Iom HaAtsmaut (Dia da Independência de Israel) oferece uma pausa de boas-vindas de uma semana de luto (de Iom HaShoá a Iom HaZicarón, um período que alguns chamaram de “os sete dias da memória”), dando-nos a chance de nos regozijar com a condição de Estado de Israel e refletir sobre suas muitas conquistas.

Iom HaAtsmaut é um chag inventado, nos dando a oportunidade de criar um novo feriado – veja como ele é observado e celebrado em vários setores da sociedade.

Em sua obra marcante Zachor: Jewish History and Jewish Memory, o professor Yosef Hayim Yerushalmi nos lembra que “somente em Israel e em nenhum outro lugar a injunção de lembrar é sentida como um imperativo religioso para todo um povo”. Com esse pensamento em mente, o primeiro-ministro israelense David Ben Gurion criou o Dia da Independência como um dia sagrado em nosso calendário. Ao contrário do Shabat e dos chaguim festivos, não viria com proibições haláchicas, mas seria um feriado nacional, fechando escritórios, empresas e escolas.

 

Prevendo que Iom HaAtsmaut viria “equipado” com símbolos, rituais e liturgia, Ben Gurion fez com que o pergaminho da independência do país fosse escrito em um klaf (pergaminho) por um sofer (um escriba que transcreve os rolos da Torá e outros escritos religiosos), mantendo a tradição usada para produzir livros sagrados judaicos, documentos e itens rituais. Como resultado, o rolo da independência aderiu ao cânone dos textos sagrados judaicos e é lido – com ou sem brachot (bênçãos) – no próprio feriado.

 

Como um dia da família, Ben Gurion antecipou celebrações que incluíam um seder Iom HaAtsmaut semelhante aos realizados em Tu BiShvat e Pessach. Sidurim (livros de orações) especiais para Iom HaAtsmaut foram criados, e o livro de orações da Reforma, Mishkah Tefilá , oferece uma cerimônia de várias páginas com textos, canções e brachot antigos e modernos para este dia.

 

Na época, seguiu-se uma interessante discussão ideológica sobre como, exatamente, os judeus expressariam gratidão a Deus por essa incrível mudança em nossa fortuna nacional. Não surpreendentemente, as diferenças de opinião abundavam. O Halel (orações de louvor recitadas em festivais e outras ocasiões alegres) deve ser incluído? Que tal Al HaNissim (uma oração recitada em Chanucá e Purim , louvando a Deus por milagres)? Como resultado, surgiram muitas versões de Al HaNissim para Iom HaAtsmaut, cada uma com sua própria ênfase ideológica, demonstrando o enigma inerente ao desenvolvimento de uma narrativa nacional unificada para o Estado de Israel.

 

No espírito deste feriado alegre, ofereço minha própria versão de Al HaNissim para Iom HaAtsmaut. Ele articula nossa conexão histórica com a terra, expressa gratidão a Deus e enfatiza nossa presença proposital em um Estado judaico e democrático cujos valores aspiramos defender. Embora o Dia Nacional da Independência de Israel estivesse enraizado na guerra, esta oração incorpora nossos sonhos de paz:

 

“E [nós Te agradecemos] pelos milagres, pela redenção, pelos feitos poderosos, pelos atos de salvação e pelas maravilhas que operou para nossos antepassados ​​naqueles dias, neste tempo.”

 

Em 5 de Iyar 5708, no momento da declaração do estabelecimento do Estado de Israel, o Povo de Israel ganhou soberania sobre sua terra e controle sobre seu destino. O milagre do estabelecimento de um Estado Judeu é o primeiro florescimento de nossa redenção. O Estado chega através de uma forte conexão histórica e tradicional, pois os judeus, através de cada geração, se esforçaram para retornar e permanecer firmes em sua antiga pátria. Nas gerações recentes, eles retornaram em massa às suas terras como pioneiros, imigrantes clandestinos e defensores. Eles fizeram os desertos florescerem, reviveram sua antiga língua hebraica, construíram vilas e cidades e estabeleceram uma comunidade crescente.

 

“Pois eu te tirarei do meio das nações, e te congregarei de todas as terras, e te trarei para a tua própria terra”. (Ezequiel 36:24)

 

E para o seu povo Israel você causou grande salvação neste dia, e nos fez triunfar sobre nossos inimigos, e você nos deu esta terra nossa herança para ser chamada “O Estado de Israel”. E, portanto, o Estado de Israel estará aberto para a imigração judaica e para o Recolhimento dos Exilados; promoverá o desenvolvimento do país em benefício de todos os seus habitantes; será baseado na liberdade, justiça e paz, conforme previsto pelos profetas de Israel; assegurará completa igualdade de direitos sociais e políticos a todos os seus habitantes, independentemente de religião, raça ou sexo; garantirá a liberdade de religião, consciência, idioma, educação e cultura; protegerá os Lugares Santos de todas as religiões.

“Que haja paz em suas muralhas e calma em suas cidadelas.” (Salmo 122:7)

E digamos Amém.

 

Chag Atzmaut Sameach!

Texto do Rabino Josh Weinberg originalmente publicado no site “reformjudaism.org” em 12 de maio de 2016.