Múltiplos papéis, múltiplas vozes: mulheres em ação por um judaísmo significativo no Shirat Darom

Falar em espaço feminino, em espaço das mulheres é sempre um desafio. Assim, como o judaísmo, queremos manter as diferenças para promover o crescimento pessoal, o crescimento das comunidades e a formação de novas conexões. Somos muitas, com planos e ideias. Sonhos e paixões. 

O Shirat Darom surge para criar esta rede que interliga 3 estados – Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná – para atuar em diferentes áreas com sinergia: cultura, filantropia, educação, sociabilização e muito mais. A semente começou com o movimento Shirat Shalom (RS) e ganhou importância e vulto em 2020, um ano repleto de desafios e exigências.

“As primeiras ações já estão em campo – debates semanais sobre filmes previamente selecionados – e um esforço conjunto para apoiar o Mitzvah Day, com o tema ‘Ledor Vador’, de Geração em Geração. Três estados, três gerações. Uma esperança: tikun olam” – compartilha Ethel Scliar (Associação Israelita Catarinense – AIC). 

“Este ano de 2020, talvez um dos anos mais difíceis para a humanidade, as mulheres reformistas da UJR (WUPJ-AmLat), iniciaram um processo de união entre todas as comunidades afins do Brasil. Houve encontros coordenados pelo Shirat Imaot (Brasília) e Shirat Shalom (Porto Alegre), bem como momentos de interação em volta das tradições judaicas. Os encontros  despertaram o desejo de expansão e senso de pertencimento comunitário e por isso criamos o Shirat Darom (Shirat do Sul). Afinal, o que queremos é trabalhar para garantir que as mulheres prosperam em toda a sua capacidade e inspirem novas gerações”,  relata Débora Gleiser, presidente do Shirat Shalom, de Porto Alegre.

Junto com Rivy Plapler e Marcela Thomaz (Associação Israelita Norte-Paranaense – Beit Tikvá), Ethel Scliar (AIC) e Débora Gleiser (SIBRA) veem na coalizão regional uma inspiração para outras regiões do país.